Como você sabe, a escola não é obrigatória, apenas a educação é obrigatória: alguns jovens não estão na escola, mas são educados como uma família. “Instrução familiar” é o termo oficial; para falar sobre sua vida sem escola, os jovens usam esse termo indiscriminadamente, ou IEF. Eles têm uma infância fora do caminho e são relativamente desconhecidos pelo público em geral. Os jovens que não estão na escola têm o que poucos outros jovens têm: o tempo. Isso lhes dá a oportunidade de jogar muito, e realizar diferentes projetos, dependendo de seus interesses pessoais. Decidir sobre sua agenda e sua vida é muito satisfatória para seus jovens.

HÁ TANTAS MANEIRAS DE APRENDER COMO HÁ CRIANÇAS.

Há tantas maneiras de aprender quanto há crianças. Algumas famílias praticam “escola domiciliar” / “educação familiar” e abordam as práticas escolares, matriculando-se em uma organização privada de educação a distância, como o ENSINO KER LANN, por exemplo. Ao mesmo tempo, também é possível recorrer à internet, nos livros didáticos, para se inspirar em pedagogias alternativas, e praticar a aprendizagem informal (também chamada de aprendizagem autônoma, ou não escolar), baseando-se nos interesses das crianças, acompanhando-as em seus projetos pessoais e pesquisas, confiando sua curiosidade e desejo de aprender naturalmente, e oferecendo-lhes um ambiente rico.

EDUCAÇÃO FAMILIAR: AS CRIANÇAS TÊM UM NÍVEL MELHOR?

Muitas vezes se pergunta que nível de crianças são educadas como uma família: elas realmente têm um nível melhor? A resposta é sim, as crianças que vão para a escola em casa têm melhores resultados e agora é indiscutível. Esses resultados foram viabilizados pela comparação entre crianças dos dois tipos de ensino, após as crianças que frequentam o ensino domiciliar serem avaliadas pela rede pública. O Centro Canadense de Educação Domiciliar demonstra que em praticamente todas as áreas importantes da vida, os graduados em casa se fazem melhor a curto e longo prazo do que seus colegas escolares convencionais. (Veja a galeria de documentos abaixo).

  • Em média, os estudantes domésticos superam suas contrapartidas de escolas públicas e privadas em 30 a 37 pontos em todas as disciplinas nos testes de avaliação de competências.
  • Pesquisas mostram que os alunos em casa estão tão envolvidos em atividades extracurriculares quanto estudantes de escolas privadas e muito mais do que estudantes de escolas públicas.
  • Os programas universitários estão começando a procurar ativamente estudantes em casa porque eles estão melhor preparados academicamente para o ensino superior.

TESTEMUNHOS DE JOVENS ADULTOS QUE PRATICARAM IEF DURANTE A SUA INFÂNCIA

“Para aprender, eu fiz de muitas maneiras. Quando eu era mais jovem, eu fazia muito clássico, minha mãe colecionava livros escolares de seus amigos e nós seguimos a linha da escola. Depois disso, fizemos cursos por correspondência, (…) Pouco a pouco aprendi sozinho, encontrei projetos sozinho, me encontrei com lição de casa sozinha. (…) Quando você tem feito toda a sua educação IEF assim, você não tem nenhuma dificuldade, você nem se pergunta como você aprende, apenas você imprime. (…) Você aprende a aprender por conta própria, sem ser sistematicamente pressionado a fazê-lo. Há um culto ao conhecimento no IEF. (…) Por alguma razão x ou y, nós espalhamos nossa ciência, é apenas motivador, e estamos muito encorajados a aprender. É muito natural “ei, eu sei disso!” “Uau! muito legal!”, no IEF, aprender é legal. Por exemplo, no meu grupo de amigos, havia uma espécie de elitismo do inglês, estávamos juntos e falávamos inglês entre nós. Isso me motivou a falar corretamente. (…) Entre os não-sco, há uma certa cultura de ser você mesmo e ser diferente das pessoas. (…) O IEF é o melhor para o desenvolvimento pessoal. (…) No IEF, você é encorajado a ser especial. Essa é a palavra de ordem” (Reaster, 19)

.”Tive uma boa infância, não fui forçado (…) meus pais ouviram muitas reprovações porque me deram muita liberdade, mas eu sou muito, muito grato. Eu realmente gostei da minha infância e adolescência, e sinto que não sou mais burro ou menos culto. Hoje, não quero desperdiçar minha vida fazendo algo que não quero fazer, especialmente neste momento de crise climática. É um pouco bobo, mas é verdade, é importante fazer algo que me faça um pouco feliz. Eu cresci curtindo minha vida e quero continuar fazendo isso.” Aidan, 20 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Enseignement à distance pour expatriés français du monde entier !

X